domingo, 22 de março de 2009

Ten Years After

A primeira vez que eu ouvi Alvin Lee foi numa breve passagem do documentário sobre Woodstock. Ele interpretava o hit I'm going home, com aquela pegada meio rockabilly, cheio de velocidade, que o deixava entre os mais respeitados guitarristas do período. Sua apresentação, no entanto, foi ofuscada (pelo menos no filme) pela presença do inefável Jimi Hendrix.


Curioso, busquei algum disco do Ten Years After, do qual o guitarrista era líder. Para minha sorte, eu encontrei um que, para mim, é o melhor: Stonedhenge, gravado em 1969 (no link que eu fornecerei para vocês tem uma crítica totalmente desfavorável - e põe desfavorável nisso - e eu discordo de cabo a rabo).

Esse grupo, como a maioria dos grupos de rock'n'roll, tem uma produção bastante irregular. Consigo pescar um teminha aqui, outro acolá, mas nada que me faça querer possuir sua discografia (o pior é que eu comprei muitos, mas só fiquei com o que agora comento). Stonedhenge é um disco que, para os parâmetros do rock'n'roll, pode ser classificado como cool. Não é aquela pedreira hard ou heavy. Agradou-me principalmente o tema Woman trouble, que mescla blues, jazz e um pouco de rock. Não tem estridências, nem gritarias, mas com espaço para todos os membros da banda mostrarem suas habilidades musicais


Deixarei alguma coisa ali no podcast para vocês avaliarem.


O link: Here!

4 comentários:

Vinyl disse...

Woman trouble é muito boa de ouvir, salsinha. Eu conheço Hear me calling numa versão heavy do grupo slade gravada ao vivo. Você conhece?

Salsa disse...

conheço, sim. O disco é Slade alive, capa vermelha. Fez o maior sucesso entre a garotada da época. Eu gostava da versão de Born to be wild.

Anônimo disse...

Mr. Salsa:

Bond + Forty Years After você relembrar Ten Years After, Alvin Lee & Cia...

Esse Slade alive citado pelo Vinyl, eu curti adoidado.Acho que ainda tenho o LP.
Beleza, esse roquizim antigo.
Abraço do Oleari.

Serbão disse...

vim pelo Grijó. já add vc aos favoritos! abração!