sábado, 18 de abril de 2009

Ginger Baker

O cisma ocorrido no Cream, como vimos no post anterior, produziu efeitos curiosos. Os três rapazes de alma indômita - Clapton, Bruce e Baker - queriam experimentar novos caminhos, novas formas de expressar suas sensibilidades musicais. Jack Bruce e Ginger Baker, pelo que parece, queriam se arriscar mais do que Clapton, e não se furtaram a trabalhar propostas musicais mais, digamos, herméticas.


Ginger Baker, o baterista, gostava (e ainda gosta) do tal do jazz. Obviamente, na época, 1969/70, o discurso era a fusão jazz/rock. Foi por aí que o camarada se enveredou e, em 1970, lançou o Ginger Baker's Air Force. Essa foi a tentativa que sucedeu o Blind Faith. A base do grupo reunia três quartos desse grupo: Baker, Winwood e Grech. Além desses, havia mais um monte de músicos encarregados da alquimia musical.


O resultado sonoro traz, em alguns momentos, algo similar ao bom maluco Zappa (confiram Early in the morning). O som é permeado por uma guitarra frenética e distorcida (Denny Lane), violino (Grech - encarregado também do baixo), sopros (Wood, McNair e Bound) e os cambau a quatro. Obviamente, Baker deita e rola em suas performances (a gravação é ao vivo) - em algumas faixas os solos de bateria são quilométricos. Essa reunião sonora durou exatos dois lps: Air Force 1 e 2.


A rapaziada que é chegada em momentos históricos do rock'n'roll tem aqui um bom exemplo. Vale a conferida.


Ouçam no podcast.


Baixem aqui: link

4 comentários:

Adrielly Soares disse...

Ouvindo o POdcast. *-*

Salsa disse...

Valeu a visita, Adrielly. E pode aumentar o som.

Yves disse...

esta pedindo senha pra descompactar..por gentilexza poderia informar?

Yves disse...

esta pedindo senha pra descompactar...poderia me informar qualé?..obrigado